Palavras, palavrinhas e palavrões de uma pequena minoria dentro de uma elite ainda mais pequena... Se quiser partir alguma coisa envie por correio para: partemtudo@netcabo.pt

terça-feira, maio 12, 2009

Guerra Urbana, a Batalha dos Trocos

Em toda e qualquer situação de vida gosto de ter bem presente o valor conhecido como na gíria como "limite do razoável".
A meu ver, tal limite é apenas tocável (preferencialmente ultrapassável, neste caso), no caso de se tratar de uma situação de alarve parvoíce/pura estupidez/prova cabal de falta de discernimento. Aí sim, o "limite do razoável" não passa de um ponto de partida, de um, vá lá...padrão mínimo.

Há no entanto situações em que o "LdR" [ndr: "Limite do Razoável" ] já foi ultrapassado há vários semestres, com culpa de todos nós, que nos atiramos para trás, sem receios, no "puff" do conformismo. Assim de repente, aquela que me parece mais grave é o terrorismo psicológico de que somos vítimas quase diariamente na batalha conhecida como "A dos trocos".

Quando levantamos dinheiro num caixeiro automático, regra geral verifica-se o caso de já não o termos em quantidade suficiente para a próxima transacção, e quase sempre porque já não temos mesmo nadinha a não ser uma rupia e dois rublos que adornam o bolso da carteira, em jeito de recordação.
Felizmente, os caixeiros automáticos apenas nos permitem levantar papel-moeda (a.k.a. Notedo). No entanto, não existe uma única compra que efectuemos após um levantamento automático, em que o nosso cérebro não seja invadido pela "culpa" em nós induzida pelo funcionário responsável respeitante ao facto de não termos trocos. Não está errado não ter trocos! Pode-se "não ter trocos"! Raios me partam se eu não odeio trocos e funcionários terroristas! Quantas vezes não são estes mesmos camelos que nos encharcam de cascalho, porque ora "não tenho moedas de 1euro", "só tenho moedas de 4cêntimos", "ah.......não tem 30 cêntimos, mesmo?" entre tantas outras desculpas ridículas?! Com que direito nos fitam com olhos de quem condena?! Arre, porcos!


Não à guerra dos trocos! Não aos trocos!

Partem Tudo.

Sem comentários: