Palavras, palavrinhas e palavrões de uma pequena minoria dentro de uma elite ainda mais pequena... Se quiser partir alguma coisa envie por correio para: partemtudo@netcabo.pt

sexta-feira, janeiro 11, 2008

Manuel Lemos

A exemplo do nosso último post, este texto não é mais do que a prova que duas cabeças idiotas conseguem ser mais perigosas que uma só. Neste caso muda um protagonista. É Mendes o autor desta descoberta. Vem bem na linha dos Tesourinhos Deprimentes que o Gato Fedorento apresentou nos últimos tempos. Mas este é do Partem Tudo ™!

Muita gente certamente recorda-se dum programa diário que a RTP transmitia (seria pelas 17h) chamado Ponto por Ponto, com apresentação do recentemente finado Raul Durão. Uma das rubricas desse programa era às 6ªs feiras sobre jogos de computador. O jovem Paulo Dimas era o responsável por todas as semanas trazer uma reportagem sobre um jogo novo ao programa. Funcionava sempre do mesmo modo, com umas imagens do jogo com a voz dele por cima a explicar o que se fazia e não se fazia no mesmo.

A novidade nesse dia era que Paulo Dimas, figura nervosa, ansiosa e tão à vontade à frente das câmaras tanto no primeiro como no último programa em que figurou (daqui deduzo que não tenha grande sucesso com o sexo oposto), apresentava um jogo feito por portugueses e um dos autores estava em estúdio: Manuel Lemos, estudante na altura e cuja página pessoal é www.ManuelLemos.net. Podem apreciar a reportagem em baixo. Tem 11m49s, mas a entrevista em si - que é o que interessa - começa aos 7 minutos.



Raul Durão, ao introduzir o convidado e dada a credibilidade do mesmo inclusivamente brinca com o nome de alguns dos autores. Mas o regabofe começa assim que é dada a palavra a Manuel! Começa pelo à vontade com que está na pele de entrevistado e na eloquência do seu discurso. Basicamente conta a história triste de 3 estudantes que abdicaram de 2 anos da sua vida para fazerem um jogo de computador e querem-no vender.

Só que o jogo afinal não é um original mas antes uma conversão para o ZX Spectrum de um jogo de máquinas de 1985 duma empresa japonesa. O problema é que os três se olvidaram do importante pormenor que para poderem fazer a conversão e comercializar o jogo teriam que ter as licenças do criador original do jogo. Curiosamente, todas as empresas que eles contactaram para os poder ajudar a comercializar lhes disseram o mesmo. Ou isso ou conversões apenas “in the house”, ou seja, são os técnicos deles que as programam – já que é o trabalho deles – e a empresa trata da burocracia. Decidiram fazer uma conversão dum jogo de máquinas porque “na altura estavam-se a fazer conversões dos jogos das máquinas”. Licenças e pagar direitos é que foram coisas que não lhes passaram pela cabeça. O mais bonito é que a única motivação que Manuel Lemos viu para fazer este jogo foi dinheiro. Como o próprio diz “em perspectiva teríamos ganho mesmo bastante dinheiro, se o conseguíssemos comercializar [o jogo]”. Por fim, Manuel Lemos adianta sobre a comercialização do jogo “espero que para breve, não sei é para quando”.

Outro factor inquietante aqui é o testar as capacidades de Paulo Dimas como entrevistador. Mesmo com uma pergunta mais do que preparada de casa, o seu jeito natural para não estar à vontade mina completamente uma possível vocação neste ramo. Basta ver a classe com que a opinião final dele sobre o jogo é dita nos últimos segundos do vídeo.

Um apontamento final quanto ao vídeo em questão: ainda bem que o mesmo está a preto e branco pois nem quero imaginar aquelas camisolas a cores. Deviam queimar qualquer retina!

Sem comentários: