Palavras, palavrinhas e palavrões de uma pequena minoria dentro de uma elite ainda mais pequena... Se quiser partir alguma coisa envie por correio para: partemtudo@netcabo.pt

quarta-feira, novembro 19, 2008

Barómetro Político

Como qualquer pessoa já notou, pode-se pré-avaliar um qualquer indivíduo em termos políticos por dois elementos. Essa pessoa nem sequer precisa de abrir a boca para se tirar a sua inclinação política. Basta saber como se intitula (o modo como gosta que o seu nome seja proferido publicamente) e a sua postura no mundo das gravatas.

Assim, tomei a liberdade de preparar dois gráficos que exemplificam na perfeição o que quero dizer:

Barómetro Político Nomes

Fig 1 - Gráfico de inclinação política pelo nome.

Na fig.1, pode-se atentar como os nomes variam da esquerda para a direita. Desde "Ana Drago", passando por "Jerónimo Sousa" ou "Alberto Costa", seguindo para "Luís Marques Mendes" e terminando no "Dr.Paulo Portas". Há excepções, mas esta é a regra.

Photobucket

Fig 2 - Gráfico de inclinação política pela gravata.

Na fig.2 vê-se também a inclinação política com base na gravata. Desde a não existência de gravata na extrema esquerda, a gravata vai sendo introduzida no PCP em tons de luto e com nós extremamente apertados, desenvolve-se no PS para gravatas em que castanhos e azuis já são autorizados e o nó já é visível a olho nu. Chegando à direita, o nó aumenta e já preenche o fim do colarinho na quase totalidade até se chegar às cores garridas e nós cheios que a bancada parlamentar do PP ostenta. Aqui, as excepções são bem mais raras.

Acho que é tudo o que é necessário fazer para se "tirar a pinta" a qualquer novo político que por aí ande. Escusam de agradecer.

sexta-feira, novembro 14, 2008

Ivo Cação

Ontem vi este nome genial na televisão. "Ivo Cação". "Evocação". É um surfista Gaiato. Acabo de googlar este nome e dar de caras com a frase mais genial de sempre:

O prémio espírito desportivo foi atribuído ao atleta Ivo Cação, pelo pedido público de desculpas aos juízes devido a atitude menos positiva durante a competição. (fonte: Federação Portuguesa de Surf)

Prémio "raciocínio distorcido" vai para esta frase. Parabéns!

Exemplos de outros raciocínios afins a este (imaginários)

Ex 1) O prémio de Produtividade e Esforço vai para a doutora Odete, pelas horas de trabalho dedicadas a resolver os problemas causados pela sua propria incompetência.
Ex 2) O pémio Higiene e Civismo vai para o menino Tozé, por ter limpo o cagalhão que fez no meio da sala de aula.

Beijocas

Mendes

terça-feira, julho 15, 2008

Encruzilhada mental

Diz-se "mais bem" ou "melhor"?



Ah, não-sei-quê, estou muito mais bem disposto!

segunda-feira, maio 26, 2008

Difícil... que alguém faça igual!

Hoje trago-vos aqui um pequeno filme que compilei do DVD da Força de Campeões que por aí se vê aos pontapés. Só aqui está o que realmente interessa, o sumo do sumo do DVD: Paulo no seu melhor.

Qualquer das passagens em questão tem pelo menos um momento incrível. É procurá-los que eles estão lá.

Ao Paulo, o meu enorme abraço à grande pessoa humana que é!

quinta-feira, março 06, 2008

Movimento Esperança Portugal

E eis que quando o país está no caos, que vai balançando entre o PS e o PSD (qual deles o mais ao centro?) que têm governos quase iguais em que só mudam as caras, surge um novo e inovador conceito... que tal fazer um partido do centro? Tipo... mais ao centro ainda. Mais sem ideias novas. Mais sem alternativas. Mais do mesmo só que em pior?

Numa altura gravíssima em que "o PS já não merece governar e o PSD ainda não merece governar" finalmente existe alternativa! Estamos salvos. Vamos sair do abismo! Que grande ideia este MEP!

A parte mais curiosa da questão são os nomes dos representantes da causa: diria que é gente de direita (só pessoas com 2 apelidos - impensável um João Silva, quando muito um João Marques Silva) com ideais de esquerda (porque é fixe, porque é moderno, porque é urbano, porque é cool). A junção só poderia dar um partido de centro. Nem tanto por idiologia, mas por matemática. Foi um movimento criado pela média aritmética das ideologias/raízes presentes. Só podia em dar uma coisa destas.

A sorte é que ainda não têm as 7500 assinaturas para se poderem tornar partido!

domingo, fevereiro 03, 2008

Caldos de Conversa #6

Pessoa A: acreditas no casamento?
Pessoa B: claro. Já vi acontecer várias vezes. Com estes olhos que a terra há de comer...

Caldos de conversa #5

Conversam duas pessoas pelas 19:23 de domingo:

-Já foste à Missa?

-Já... várias vezes.

segunda-feira, janeiro 21, 2008

quinta-feira, janeiro 17, 2008

Viriato #2

Photobucket

A saga de Viriato e Barcelos muda de rumo a partir de agora. Eles têm um blog onde finalmente terão o destaque merecido. O Partem Tudo continua em frente como sempre existiu: a partir tudo!

quarta-feira, janeiro 16, 2008

Viriato #1

Viriato nasceu


O Viriato nasceu. 3,5 Kgs da mais roliça estupidez humana. Tem os traços do pai e o ar parvo do outro pai. Revela saúde.

sexta-feira, janeiro 11, 2008

Manuel Lemos

A exemplo do nosso último post, este texto não é mais do que a prova que duas cabeças idiotas conseguem ser mais perigosas que uma só. Neste caso muda um protagonista. É Mendes o autor desta descoberta. Vem bem na linha dos Tesourinhos Deprimentes que o Gato Fedorento apresentou nos últimos tempos. Mas este é do Partem Tudo ™!

Muita gente certamente recorda-se dum programa diário que a RTP transmitia (seria pelas 17h) chamado Ponto por Ponto, com apresentação do recentemente finado Raul Durão. Uma das rubricas desse programa era às 6ªs feiras sobre jogos de computador. O jovem Paulo Dimas era o responsável por todas as semanas trazer uma reportagem sobre um jogo novo ao programa. Funcionava sempre do mesmo modo, com umas imagens do jogo com a voz dele por cima a explicar o que se fazia e não se fazia no mesmo.

A novidade nesse dia era que Paulo Dimas, figura nervosa, ansiosa e tão à vontade à frente das câmaras tanto no primeiro como no último programa em que figurou (daqui deduzo que não tenha grande sucesso com o sexo oposto), apresentava um jogo feito por portugueses e um dos autores estava em estúdio: Manuel Lemos, estudante na altura e cuja página pessoal é www.ManuelLemos.net. Podem apreciar a reportagem em baixo. Tem 11m49s, mas a entrevista em si - que é o que interessa - começa aos 7 minutos.



Raul Durão, ao introduzir o convidado e dada a credibilidade do mesmo inclusivamente brinca com o nome de alguns dos autores. Mas o regabofe começa assim que é dada a palavra a Manuel! Começa pelo à vontade com que está na pele de entrevistado e na eloquência do seu discurso. Basicamente conta a história triste de 3 estudantes que abdicaram de 2 anos da sua vida para fazerem um jogo de computador e querem-no vender.

Só que o jogo afinal não é um original mas antes uma conversão para o ZX Spectrum de um jogo de máquinas de 1985 duma empresa japonesa. O problema é que os três se olvidaram do importante pormenor que para poderem fazer a conversão e comercializar o jogo teriam que ter as licenças do criador original do jogo. Curiosamente, todas as empresas que eles contactaram para os poder ajudar a comercializar lhes disseram o mesmo. Ou isso ou conversões apenas “in the house”, ou seja, são os técnicos deles que as programam – já que é o trabalho deles – e a empresa trata da burocracia. Decidiram fazer uma conversão dum jogo de máquinas porque “na altura estavam-se a fazer conversões dos jogos das máquinas”. Licenças e pagar direitos é que foram coisas que não lhes passaram pela cabeça. O mais bonito é que a única motivação que Manuel Lemos viu para fazer este jogo foi dinheiro. Como o próprio diz “em perspectiva teríamos ganho mesmo bastante dinheiro, se o conseguíssemos comercializar [o jogo]”. Por fim, Manuel Lemos adianta sobre a comercialização do jogo “espero que para breve, não sei é para quando”.

Outro factor inquietante aqui é o testar as capacidades de Paulo Dimas como entrevistador. Mesmo com uma pergunta mais do que preparada de casa, o seu jeito natural para não estar à vontade mina completamente uma possível vocação neste ramo. Basta ver a classe com que a opinião final dele sobre o jogo é dita nos últimos segundos do vídeo.

Um apontamento final quanto ao vídeo em questão: ainda bem que o mesmo está a preto e branco pois nem quero imaginar aquelas camisolas a cores. Deviam queimar qualquer retina!

terça-feira, janeiro 08, 2008

Caixa de Esmolas


Estamos na presença de mais uma situação onde se verifica a velha máxima “duas cabeças pensam melhor do que uma”. Mas como todas as regras, há uma excepção. E quando as duas cabeças a pensar são a minha e a do Ayeye é óbvio que não pode dar bom resultado. Nunca deu. Este é mais um exemplo.

Isto é válido para qualquer peditório, seja ele feito numa missa, num peditório da luta contra o cancro, contra a fome em África ou mesmo para o envio de leprosos para o Iraque.

Num peditório, quem quer que dê algum dinheiro para a causa em questão dá-o anonimamente e em quantia que só a própria sabe. Uma pessoa pode sentir-se muito generosa a dar 50 cêntimos em moedas de 1 cêntimo devido ao barulho e ao demorado que as moedas levam a cair mas distingue-se o oco som do “cascalho”. Não é preciso ser Deus para saber que foi mais aparato que valor! Mas por outro lado quem repara numa nota de 5€ a cair no cesto das esmolas? Não faz mais barulho que um cêntimo mas o Departamento Financeiro dos Céus (ou o E.L.I. - Enviem os Leprosos para o Iraque) sorri bem mais com a 1ª opção. Mas como fazer ver às pessoas à volta de quem dá se realmente a dádiva foi muita parra e pouca uva ou realmente mais consistente?

Ora aqui é que surge a ideia: colocar um aparelho no receptáculo do dinheiro que transformasse o som do mesmo a cair no real valor monetário que o mesmo apresenta! Por exemplo, um cêntimo seria totalmente inaudível, 50 cêntimos já se conseguiria ouvir. No entanto, 50 cêntimos com cascalho quase não se escutariam. Afinal está-se ali para dar ou para se ver livre das moedas pequenas? Moedas de 1 e 2 euros ouvir-se-iam bem. Mas a novidade está nas notas: aqui o som aumentaria conforme o valor das notas! Uma nota de 20€ seria acompanhada com um trovão que rasgaria os céus e uma de 50€ com o hino da Liga dos Campeões para mostrar bem o valor envolvido!

Isto podia-se obviamente ajustar, pois o standard usado na IURD é diferente do usado em qualquer outro lado. Com toda a certeza que só se escutaria o hino da Liga dos Campeões quando fosse dada uma barra de ouro puro.

E assim terminariam as hipocrisias de dar muitas moedas para África ou livrar-se do cascalho a favor do cancro! As gentes de partida para o Iraque nunca saberiam que só tinham dado dinheiro para levar 1 dedo (neste caso do E.L.I. é mesmo uma possibilidade real)…

Partem Tudo – a pugnar por um mundo melhor!

Herlander

O meu nome não ser Nélson. É só um nome que adoptei [inicialmente como pseudónimo, posteriormente conquistou mesmo o estatuto de alter-ego] por sentir uma muito particular e estreita atracção pela fonética. Soa bastante bem. Nélson.

Partindo deste conceito, não tardou até que arranjasse nomes também para parentes próximos e amigos. A minha mãe, passei a chamá-la carinhosamente de Maria Odete e o meu pai de Herlander.

Tudo isto para chegar a este nome de fonética também ela bastante simpática e rara. Herlander.

No meio de um bocadinho de "google" que estava a fazer descubro que existe no hi5, um grupo chamado apenas e só "Os Herlanderes". Condição de entrada neste grupo: chamar-se Herlander. Logo aqui re-ganhei a fé na humanidade e em como o mundo pode ser um lugar aprazível para se viver.

Se conferirem o "Message Board" deste simpático grupo deparamo-nos com temas e questões de importante calibre do dia a dia d'Os Herlanderes. Existe um post aberto especialmente para Os Herlanderes darem conta aos seus semelhantes dos nomes estranhos que lhes chamam outros seres humanos, quando chamar-lhes apenas e só "Herlander" se torna tarefa impossível.

Passo a citar:
>>Herlander 1: "Este tópico é para escreverem os nomes k as pessoas inventam ao tentar dizer o nosso nome.."
>>Herlander 2: "Na America como não conseguem dizer Herlander (sabe-se lá pq...) chamam-me Highlander, para além disso na escola chamavam-me Irlander."
[Oh yeah... Herlander McCloud!]

Noutro tópico...
>>Herlander 3: "optimo grupo k encontrei abraços pra todos os Herlanders!"

Tópico "A alcunha Lander fica-nos bem!"
>>Herlander 4: [o fundador do grupo]: "E quando nos chamam de Lander la em casa, e quando dizemos que Lander e so para os amigos...Lol! "

It just keeps coming...
>>Herlander 5: "É interesante conhecer mais pessoas que se chamam herlander... diferente!! "

Para finalizar...uma espécie de Manifesto dos Herlanderes:
>> Herlander 6: "Juntos lutaremos contra os tótós... que levam dias a aprender a dizer um nome tão facil... até os meus sobrinhos que ainda estao na barriga da minha irma já sabem dizer!!! voces sabem do que estou a falar... "Her... quê?" isso tem de acabar!!!!"


A alegria deste grupo é contagiante. Lanço daqui um forte e sentido abraço a todos os Herlanderes do planeta. Isso é que é nome de gente!

Quando tiver um filho hei-de chamá-lo de Herlander...em princípio.

segunda-feira, janeiro 07, 2008

Coisas irritantes: top 8 de palavras francesas ditas com pronúncia americana

Há coisa irritantes: mosquitos, trânsito, compras de natal e, acima de tudo, palavras francesas apropriadas pela língua americana. Imaginem uma Oprah, uma Martha Stewart ou um Dr. Phill a dizerem este top 8 de "palavras francesas ditas com pronúncia americana", a caprichar no francês, e deixem vossas vesículas contorcerem-se em asco e irritação. (Arredondem bem o francesismo, com aquele sotaque de americano fino e culto que faz viagens para a europa).

8. Soufflé
7. Prét-a-porter
6. Hors d'euvres
5. Chaperon
4. Versace
3. Chandeleer
2. Conciérge

e agora o coup-de-glace, o créme-de-la-créme:

1. Genre

domingo, janeiro 06, 2008

Ao nível da definição...

Estúpido

Substantivo

  1. uma pessoa que é estúpida
  2. pode envolver alguém que é insensível para com uma verdade moral

(Não quero estar a entrar em declarações infundadas ou em falsos testemunhos...vou só mesmo dizer o que me vai na alma... eu acho que este wiktionary deve envolver pessoas insensíveis para com uma ou outra verdade moral. Mas tudo isto são apenas hipóteses da minha cabeça. Eu não conheço mesmo os autores. É quase como se me tivessem contado. Só que eu próprio é que por acaso estava a fazer uma pesquisa no google por "cabeça de nabo" e dei com esta página...)

sexta-feira, janeiro 04, 2008

Partem-mundo

Cidade de Manu:
Capital da província de Manu, Peru. O mais exótico e intocado destino amazónico.

Cidade de Nelson:
Canadá. Onde a vida corre sem pressas e as pessoas dizem "olá" aos forasteiros. O tempo parou, por aqui. Rode os ponteiros do relógio para trás. Benvindo a Nélson!

Cidade de Humberto (Humberville):
Cidade situada no noroeste francês, na zona de champanhe. População: 65. Kilometros entre Humberville e a ponte Hintze Ribeiro: imensos.

Cidade de Mendes:
Pertence ao município mais pequeno do Rio de Janeiro. Onde o ar é tão puro que até entorpece...
Dos seus 17.289 habitantes, 8.367 são homens e 8.367 são mulheres. Em Mendes, é mais fácil acreditar no amor.

quinta-feira, janeiro 03, 2008

Bisga de "Jói"

Num destes últimos dias, os chamados dias pós-Festas, dei por mim invadido de uma certa sede não específica. Não era sede de coca-cola. Também não era sede de cerveja. Mas não era sede que apenas água fosse satisfazer, também. Não tive outra chance senão apresentar ao meu próprio cérebro as hipóteses existentes "em carteira" [neste caso: "em repositório do tipo frigorífico"], não fosse uma daquelas vontades estúpidas assaltar-me a mente e depois fosse tarde demais. Referia-me a uma daquelas vontades do tipo: "Ah agora caía mesmo bem era um daqueles iogurtes líquidos Yop que me serviram quando estava a recuperar daquela operação quando tinha sete anos..." É que se isto tem acontecido lá teria eu de ir correr as lojas de conveniência da cidade em busca de um destes "Yop"... Assim sendo, ao abrir o frigorífico deparo-me com um pacote de Iced Tea do Lidl, daqueles de 2 litros e também uma garrafa de 1,5 litros de "Jói" Laranja-Maracujá(!), muito semelhante à da imagem [...na minha aparecia também um maracujá.]. Já não via daquilo há um tempo valente! Se formos a avaliar de perto o referido produto, não havia, enquanto criança, maneira de evitar beber pelo menos um litro daquilo, após o primeiro gole. O raio do líquido tresanda a uma mistura bastante feliz de corantes, edulcorantes, estupidificantes de acidez, emulcionadores E-308 e açúcar...ah porra...muito açúcar. Ao meter mesmo a cena à boca então veio a melhor recordação de todas. A BISGA DE JÓI! Não existe outro líquido ou néctar no mundo que confira igual ou sequer semelhante consistência à bisga de uma pessoa. Acredito mesmo que com o treino devido, é possível apanhar coisas do chão, utilizando aquela técnica de deixar a bisga esticar, de cara para baixo, sorvendo alarvemente em seguida, quando se teme que a bisga possa cair ao chão. Mas se formos a ver, nem isto seria tão grave, uma vez que não é apenas de gabar a consistência de uma bisga de jói. A durabilidade também é um dos seus efeitos mais vincados. Nem mesmo depois de uma refeição completa se desvanece o efeito desta bisga. Que bonito.

Jói - para bisgar como se bisga lá fora.