Palavras, palavrinhas e palavrões de uma pequena minoria dentro de uma elite ainda mais pequena... Se quiser partir alguma coisa envie por correio para: partemtudo@netcabo.pt

terça-feira, junho 08, 2004

O síndroma do pé-de-fora

Esta situação que vou reportar é raro vislumbrar-se claramente mas toda a gente sabe que existe e mesmo de relance já a viu! Geralmente ocorre nas estradas mas consegue-se ver na plenitude nas filas das portagens no início ou no final de cada autoestrada e apenas no Verão, quando o calor aperta mais.
Pois é, o calor começa a fazer-se sentir e o carro em causa não tem ar condicionado. A família viaja no seu Corolla com as janelas abertas para tentar arrefecer um pouco o ambiente. A fila na portagem ainda é longa, ainda não sei porque não instalei a Via Verde no meu carro, e para passar o tempo vou-me deleitando a olhar para os carros que têm o mesmo destino que o meu. Qual não é o meu espanto quando da janela da frente do carro parada na fila à minha esquerda sai o pé da mãe de família para respirar um pouco, arejar. Existem situações onde são mesmo os dois pés que estão de fora! Pés gordos, feios, de jogadora de futebol, calejados e tortos, habituados a carregar os 82 kgs de massa gorda que têm por cima, unhas pintadas em verniz foleiro, cenário inqualificável e de um mau gosto incrível. Tento desviar o olhar daquilo mas sinto-me tentado a entender o que leva uma pessoa a fazer isto. Arrefecer os pés, resposta natural. Mas à custa de quê? De uma visão medonha ao resto dos transeuntes? O interesse em arrefecer os pés não é claramente suplantado pelo embaraço de se mostrar uma coisa tão feia ao comum dos mortais? Ao mais inocente dos mortais? Há crianças que podem ver aquilo!
Calculo que as pessoas não andem de pata (sim, porque é uma pata) de fora na autoestrada, mas nas estradas é uma situação muito comum cruzarmo-nos com um pé, no mesmo ou no sentido contrário, que tem ao seu lado um carro! E infelizmente este fim de semana cheguei à conclusão que o síndroma do pé de fora não é exclusivo de estradas e autoestradas, mas antes um must dos passeios domingueiros em qualquer cidade do país. Uma pessoa não pode andar na rua num domingo sem ser confrontado com uma situação destas. Pelo menos uma. E assim começa a esmorecer o fim de semana que ruma horrivelmente para mais uma fatídica 2ª feira...

Sem comentários: