Palavras, palavrinhas e palavrões de uma pequena minoria dentro de uma elite ainda mais pequena... Se quiser partir alguma coisa envie por correio para: partemtudo@netcabo.pt

segunda-feira, junho 28, 2004

Mito Urbano #23

Após receber do nosso querido Jorge Mendes, por e-mail, partemtudo@netcabo.pt, passo a dar a conhecer o Mito Urbano #23 - o Pacote Laboral:

«Breve ensaio sobre um mito urbano há muito enraizado na classe proletariada do Portugal Pós-PREC. Por Jorge Mendes.

Numa destas manhãs, o vosso estimado GonçaloM e eu fomos combater o tédio pelas ruas da cidade. Depois do GM subtrair (à cidade...) um meco de sinalização em forma de cone, dei por mim a expanar todo o meu eu revolucionário, talvez inspirado pelos ares de abril e maio que puplulam pela atmosfera. Fiz do meco megafone, abri a janela do carro, soltei a garganta para dentro do meco, e fiz ecoar pelas ruas um sonoro “NÃO AO PACOTE LABORAL!”. Eu sempre fui contra ao Pacote Laboral. Acho que nunca é demais levantar a voz contra o Pacote Laboral. Nem sei porque é que este começou, aliás nem sei que raio É o Pacote Laboral. Ninguém sabe que raio vem a ser esse famigerado Pacote. Acho que mesmo quem o empacotou fê-lo sem saber muito bem o que é que tinha acabado de empacotar. Mas todos, do rico ao pobre, se opõem veemente ao Pacote Laboral. Acho que a sensação que todos temos é que, se o Pacote Laboral vingar, é como se alguém nos tivesse a ir ao nosso próprio pacote. Esta onda de oposição ao Pacote anda nos muros, nos editais, nos panfletos e nos sussurros conspirativos da população. Senti-o perfeitamente enquanto, de voz embargada pelo tabaco e olhar tolhido pelo alcool, às 8 da manhã e de directa, destapava esse grito que há 25 anos, 10 meses e 11 dias trazia preso na garganta. Por isso, camarada, está na hora de levantares esse pacote da cadeira e dizeres comigo: NÃO AO PACOTE LABORAL.»

Serviço público, a 110%.

domingo, junho 20, 2004

Mitos Urbanos

22. Aquecimento Global

Pêezéé! Este piqueno póste vem desmistificar os efeitos nefastos do supraprintado aquecimento global. Todos já ouviram os mecos da TV falarem que, à velocidade com que as carótidas polares estão a derreter, daqui a cem anos teremos parte da própria avenida da boavista inundada. Eu discordo. Pelo menos se continuaram a a sobrepor camadas de alcatrão todos os meses!!!! Franka'mente

quinta-feira, junho 17, 2004

Mito Urbano

21.Jihad - Cruzada contra os Botões Verdes

É com alguma urgência que vos transmito este comunicado. NÃO TOQUEM NOS BOTÕES VERDES DO SEMÁFORO!!!! Sim, aqueles que supostamente aceleram a troca entre estados cromáticos dinâmicamente. Isto se não quiserem enfrentar "as consequências". Foi-me dito pela minha querida mãe que por sua vez foi informada pela vizinha da sobrinha da empregada do Centro de Saúde de Feães que a sua enteada tinha um primo na Brigada de Transeuntes, que lhe contara tudo. E depois de recuperar o fôlego da genealogia verbal, disse-me que este, à dois sábados, encontrara um AlCorão perdido na praia do Arcozelo. Estava um calor do inferno. Olhando durante uns curtos segundos, verficou que estava um pandego de turbante preto e completa toalha de mesa enrolada no torso na mesma praia, a uns duzentos metros. Então entrou em acção, gritando e acenando por quantas tinha ao homem!! (Como é óbvio o agente não entrou na praia, seria risco desnecessário) Quando o monhé se virou e se dirigiu ao agente este entregou-lhe o vício, para júbilo do primeiro. E ofereceu-lhe nada mais do que 200 euros como recompensa pelo achado da sua fé caída, ao que o senhor agente recusou, apontando a ética da sua profissão. Então, e vendo que os seus esforços de uma recompensa monetária rápida e indolor não se concretizavam, o Árabe propôs-se a dar-lhe um bom conselho: "Não carregue nos botões verdes do semáforo". Ora como toda a gente sabe, durante o Euro vão estar em Portugal milhares de pessoas. O que implica que milhares de vezes serão pressionados esses permutadores de tráfego. Nada melhor para um atentado terrorista do que aspergir esses pressionadores plásticos com antrax ou quem sabe a febre do feno. Os efeitos seriam devastadores. E para os mais incrédulos, de que cor são os botões? VERDES. Ora o verde representa a esperança. Esperança escreve-se com "E". Que outra palavra começa com "E"?? Estados Unidos!!!!! Fica o aviso e não digo mais nada, todo o cuidado é pouco.

Este mito retrata a estupidez dos seres que leem emails e acreditam piamente no que eles dizem. Senão veja-se, em que mundo é que um GNR ou PSP recusaria 200 oiros a um monhé????? Precisamente...

Frank

terça-feira, junho 08, 2004

O síndroma do pé-de-fora

Esta situação que vou reportar é raro vislumbrar-se claramente mas toda a gente sabe que existe e mesmo de relance já a viu! Geralmente ocorre nas estradas mas consegue-se ver na plenitude nas filas das portagens no início ou no final de cada autoestrada e apenas no Verão, quando o calor aperta mais.
Pois é, o calor começa a fazer-se sentir e o carro em causa não tem ar condicionado. A família viaja no seu Corolla com as janelas abertas para tentar arrefecer um pouco o ambiente. A fila na portagem ainda é longa, ainda não sei porque não instalei a Via Verde no meu carro, e para passar o tempo vou-me deleitando a olhar para os carros que têm o mesmo destino que o meu. Qual não é o meu espanto quando da janela da frente do carro parada na fila à minha esquerda sai o pé da mãe de família para respirar um pouco, arejar. Existem situações onde são mesmo os dois pés que estão de fora! Pés gordos, feios, de jogadora de futebol, calejados e tortos, habituados a carregar os 82 kgs de massa gorda que têm por cima, unhas pintadas em verniz foleiro, cenário inqualificável e de um mau gosto incrível. Tento desviar o olhar daquilo mas sinto-me tentado a entender o que leva uma pessoa a fazer isto. Arrefecer os pés, resposta natural. Mas à custa de quê? De uma visão medonha ao resto dos transeuntes? O interesse em arrefecer os pés não é claramente suplantado pelo embaraço de se mostrar uma coisa tão feia ao comum dos mortais? Ao mais inocente dos mortais? Há crianças que podem ver aquilo!
Calculo que as pessoas não andem de pata (sim, porque é uma pata) de fora na autoestrada, mas nas estradas é uma situação muito comum cruzarmo-nos com um pé, no mesmo ou no sentido contrário, que tem ao seu lado um carro! E infelizmente este fim de semana cheguei à conclusão que o síndroma do pé de fora não é exclusivo de estradas e autoestradas, mas antes um must dos passeios domingueiros em qualquer cidade do país. Uma pessoa não pode andar na rua num domingo sem ser confrontado com uma situação destas. Pelo menos uma. E assim começa a esmorecer o fim de semana que ruma horrivelmente para mais uma fatídica 2ª feira...

segunda-feira, junho 07, 2004

Mitos Urbanos - the Silver Pony Award

Está aberta a caça ao melhor Pequeno Pónei para Mito Urbano™.

1. O prémio Silver Pony será entregue dia 01 de Julho de 2004 para a melhor descrição sobre qualquer Pónei©.
2. Este concurso está aberto a todos os participantes do blog e leitores, que poderão deixar a sua apreciação e ideia em comentário.
3. Não existe qualquer requisito de idade, tamanho, cor ou raça.
4. O Jurí é competente e imparcial.
5. Da decisão do Juri não existe recurso.

Let the best Pony win.
Boa sorte.

terça-feira, junho 01, 2004

Mitos Urbanos

Bom dia idiotas.

20. Água do Castelo ou Água Castelo?
Se por acaso aquela rubrica do Telejornal de falar bem português se lembrasse de ir perguntar isto as pessoas estavam tramados porque não iam achar ninguém que acertasse na resposta... As tão famigeradas "águas" não são DO CASTELO!!! São só Castelo. Agora vejam lá se largam o xanax e dormem em paz. Está desfeito mais um mito

16. Cromos difíceis >>> CORRECÇÃO!!!

((este mito urbano foi retirado do blog pois foi extremamente contestado por outros combloguistas. Existem ainda fortes dúvidas quanto à sua veracidade. A Panini já foi questionada sobre esta problemática contudo ainda não obtivemos qualquer resposta. A evolução deste caso será apresentada nos próximos dias. ))

Cumprimentos.